Começa mutirão de cirurgias de implante coclear para desafogar fila

1529
Paciente com implante coclear - Foto: divulgação
Paciente com implante coclear - Foto: divulgação

O sentido da audição, de poder escutar. Começou neste sábado, 12, um mutirão de cirurgias de implante coclear em São Paulo para desafogar a fila de espera, que ficou represada durante a primeira onda da Covid-19.

“Teve uma série de pacientes que não pôde fazer a cirurgia, porque os hospitais estavam bloqueados por Covid e isso foi represando. Com isso eles perdem um tempo precioso no seu tratamento da surdez, principalmente as crianças”, disse o Prof. Dr. Ricardo Ferreira Bento, responsável pela Disciplina de Otorrinolaringologia do HC-FMUSP – Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Ele explicou ao SóNotíciaBoa que serão feitas 30 cirurgias em quatro mutirões. Neste sábado, serão operados os primeiros 6 pacientes, numa parceria entre o grupo de próteses implantáveis do HC-FMUSP e a secretaria da Saúde do Governo do estado de São Paulo

“Com isso a gente vai poder minimizar tudo aquilo que aconteceu durante a [primeira onda] da pandemia, tratando essas pessoas e fazê-las ouvir de novo”, explicou o professor.

O que é

O implante coclear é um dispositivo eletrônico parcialmente implantado que dá aos pacientes a sensação de ouvir. Ele tem uma parte externa e outra interna.

A parte externa possui um microfone, um microprocessador de fala e um transmissor.

A parte interna tem um receptor e estimulador, um eletrodo de referência e um conjunto de eletrodos que são inseridos dentro da cóclea para estimular o nervo auditivo que, por sua vez, leva os sinais para o encéfalo onde serão decodificados e interpretados como sons.

As cirurgias

O primeiro mutirão começou neste sábado, às 7 da manhã, em três salas cirúrgicas, com três crianças de até quatro anos de idade e três adultos que estavam há tempos aguardando a cirurgia, sem ouvir.

No total, serão cinco sábados de cirurgias, até o dia 13 de fevereiro de 2021, com todos os cuidados necessários relacionados à pandemia do coronavírus, incluindo exames RT-PCR.

“Um presente de Natal para todos nós, médicos, fonos e pacientes, que podemos dirimir a fila do implante coclear e permitir que nossos pacientes adentrem ao mundo dos sons”, concluiu o Prof. Dr. Ricardo Bento.

Como se cadastrar

Os interessados em fazer o implante coclear devem preencher o formulário neste link e dizer se pretendem fazer pelo SUS, gratuitamente, ou pelo plano de saúde, que também cobre a cirurgia.

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa