Cientistas isolam anticorpo de Lhama eficaz e seguro contra Covid

As Lhamas e os Nanocorpos isolados por cientistas do NIH Foto: NewsMedical
As Lhamas e os Nanocorpos isolados por cientistas do NIH Foto: NewsMedical

Pesquisadores do National Institutes of Health, EUA, isolaram um conjunto promissor de anticorpo, ou “nanocorpos”, contra a Covid-19.

Eles foram produzidos por uma lhama chamada Cormac.

Os resultados preliminares foram publicados em relatórios científicos e sugerem que um dos nanocorpos – NIH-CoVnb-112 – pode prevenir a infecção.

Inalação

O nanocorpo também funcionou na forma líquida ou em aerosol, eficaz após inalação.

O estudo foi conduzido por dois neurocientistas, Thomas J. “TJ” Esparza, BS, e David L. Brody, MD, Ph.D., que trabalham em um laboratório de imagens cerebrais no Instituto Nacional de Doenças Neurológicas e Derrames do NIH – Depto de Saúde dos EUA.

“Esperamos que esses nanocorpos anti-COVID-19 possam ser altamente eficazes e versáteis no combate à pandemia de coronavírus”, disse o Dr. Brody, autor do estudo e professora da Uniformed Services University for the Health Sciences.

Nanocorpo

Um nanocorpo é um tipo especial de anticorpo produzido naturalmente pelo sistema imunológico dos camelídeos, um grupo de animais que inclui camelos, lhamas e alpacas.

Em média, essas proteínas têm cerca de um décimo do peso da maioria dos anticorpos humanos.

Como os nanocorpos são mais estáveis, menos caros de produzir, um crescente corpo de pesquisadores, incluindo Esparza e Dr. Brody, os tem usado para pesquisas médicas.

Desde que a pandemia estourou, vários pesquisadores produziram nanocorpos de lama contra a proteína spike SARS-CoV-2 que pode ser eficaz na prevenção de infecções.

No estudo atual, os pesquisadores usaram uma estratégia ligeiramente diferente das outras para encontrar nanocorpos que podem funcionar especialmente bem.

Como?

Os pesquisadores imunizaram a Lhama cinco vezes ao longo de 28 dias com uma versão purificada da proteína spike SARS-CoV-2.

Depois de testar centenas de nanocorpos, eles descobriram que Cormac produziu 13 nanocorpos que podem ser fortes candidatos.

Em seguida, a equipe mostrou que o nanocorpo NIH-CoVnB-112 pode ser eficaz na prevenção de infecções por coronavírus.

Para imitar o vírus SARS-CoV-2, os pesquisadores transformaram geneticamente um ” pseudovírus ” inofensivo.

Com isso, foi possível  usar a proteína  para infectar células que possuem receptores humanos.

Os pesquisadores viram que níveis relativamente baixos de nanocorpos impediram o pseudovírus de infectar essas células em placas de Petri.

Patente

A equipe já solicitou uma patente do nanocorpo NIH-CoVnB-112.

“Embora tenhamos muito mais trabalho pela frente, esses resultados representam um primeiro passo promissor”, disse o Sr. Esparza.

“Com o apoio do NIH, estamos avançando rapidamente para testar se esses nanocorpos podem ser tratamentos preventivos seguros e eficazes para COVID-19.

Os colaboradores também estão trabalhando para descobrir se eles podem ser usados ​​para testes baratos e precisos.”

Com informações da News Medical