Mulher vai ao Afeganistão e resgata meninas do time de robótica

2534
Allyson Reneau conheceu as meninas em uma conferência em 2019 e queria ajudá-las a escapar Foto: Allyson Reneau
Allyson Reneau conheceu as meninas em uma conferência em 2019 e queria ajudá-las a escapar Foto: Allyson Reneau

Allyson Reneau, formada em Harvard, ajudou a resgatar meninas de 16 a 18 anos da equipe de robótica do Afeganistão.

As campeãs, reconhecidas internacionalmente e conhecidas como “Sonhadoras Afegãs”, conseguiram espacar do regime talibã há algumas semanas, quando fugiram da capital Cabul, num voo comercial para Doha, no Catar, após várias tentativas fracassadas de deixar o país.

Reneau, de 60 anos, conheceu as meninas no encontro Humans to Mars, em Washington DC, em maio de 2019.

Mãe preocupada 

Allyson é mãe de 11 filhos e teve enorme preocupação ao saber da situação da equipe de robótica. Desde a conferência, ela nunca perdeu o contato com as estudantes.

“Elas deixaram tudo para trás para perseguir seus sonhos e serem livres e educadas”, disse Reneau à Insider. “Elas agora parecem estar seguras, bem e felizes.”

“Por ser mãe de nove filhas biológicas, me senti imediatamente atraída por elas e acho que foi mútuo”, disse ela.

A mulher de 60 anos contou que durante semanas as meninas lhe enviaram mensagens de texto sobre a situação no Afeganistão e que, em uma manhã no início de agosto, ela acordou com uma “sensação terrível de que algo estava realmente errado”.

“De alguma forma, senti que elas corriam grande perigo. E não consegui me livrar disso”, disse. “Foi tão evidente que tive de agir.”

Resgate

Durante dias, Reneau tentou falar com seu senador e outras autoridades locais para encontrar uma maneira de tirar a equipe.

Mas depois de enfrentar muitos obstáculos, ela decidiu resolver o problema por conta própria e viajar para o Catar. Pouco antes de seu vôo, ela contatou um antigo colega que morava no Catar e trabalhava para a embaixada.

Este amigo conseguiu arquivar toda a papelada e, com a ajuda da embaixada, iniciou o processo de retirada das meninas de Cabul. A própria Reneau decidiu ficar e ajudar.

Quando ela recebeu a notícia de que algumas das garotas haviam saído em segurança no início desta semana, Reneau disse que ela “desabou”.

“Recebi uma mensagem de texto de uma das meninas que dizia apenas: ‘Conseguimos’.

Competição

A equipe feminina de robótica afegã ganhou as manchetes em 2017, quando viajou para Washington DC para uma competição internacional de robótica.

Inicialmente, elas não conseguiram obter o visto para viajar, mas uma intervenção do governo dos EUA permitiu que voassem para Washington e competissem.

Reneau disse que as meninas agora estão descobrindo para onde ir do Catar, mas que já tiveram uma “abundância de ofertas de bolsas de estudos de universidades incríveis” nos Estados Unidos.

“Pela primeira vez em suas vidas, eu realmente acredito que elas têm a liberdade de escolher e serem as arquitetas do seu próprio destino e de seu próprio futuro”, disse ela. ”

É uma sensação libertadora para mim saber que elas serão capazes de irem a qualquer lugar e serem educadas onde quiserem.”

Com informações do Business Inside