Órfã que emocionou CPI da Covid sonha ser médica para salvar vidas

358
Órfã da Covid: Giovanna emocionou a todos em relato na CPI - Fotos: reprodução e TV Senado
Órfã da Covid: Giovanna emocionou a todos em relato na CPI - Fotos: reprodução e TV Senado

A história da órfã Giovanna Gomes Mendes da Silva, 19 anos, emocionou a todos após seu relato na CPI da Covid, em outubro. 

Há quatro meses, ela se tornou mais uma brasileira órfã da Covid. Após perder os pais, o sonho de ser médica se tornou maior ainda. Ela quer salvar vidas!

Estamos com uma vaquinha para ajudar a Giovanna em casa e nos estudos. Clique aqui para contribuir, ainda dá tempo de mudar essa história!

Os pais dela faleceram com apenas 14 dias de diferença. Agora, sendo a nova chefe de família, ela requereu a guarda da irmã de 11 anos para que pudessem ficar juntas. 

Sonho de ser médica

Giovanna hoje estuda odontologia, foi o curso que conseguiu ingressar, após a morte dos pais. Seu objetivo era o quanto antes ter uma formação para ter condições de criar a irmãzinha.

Mas seu sonho mesmo, desde pequena, é ser médica. Ela contou que a mãe tinha insuficiência renal crônica e que fazia hemodiálise. O pai teve câncer e com a Covid, a doença se espalhou rapidamente.

“Eu falava para ela que queria ser médica para cuidar dela e como mais pessoas da minha família passa por isso, eu queria ter conhecimento para ajudá-los”, disse.

“Quero levar saúde a quem não tem acesso”

Gi também nos relatou que ainda criança, descobriu que muitos moradores da Amazônia não tinham acesso à saúde e isso lhe acendeu uma luzinha!

“Muito triste ver crianças e idosos morrendo por falta de atendimento e informação. Eu quero estar ali para cuidar dessas pessoas”.

Gi, não desista do seu sonho! Para apoiar a Giovanna nos estudos, clique aqui e contribua com a sua vaquinha.

Morando com avós

Hoje, ela e a irmã estão morando com os avós maternos que sustentam a casa apenas com a aposentadoria. 

Vivem na residência mais três tios, mas apenas uma tia está empregada como professora. Eles contam com doações de parentes e amigos para esse momento tão difícil.

“Eu vi que precisava da minha irmã e ela precisava de mim, eu me apoiava nela e ela se apoiava em mim. A partir dali, vi que eu não poderia ficar mais sem ela”.

“Meu pai tinha uma voz linda, cantava para eu e minha irmã dormir desde sempre”

A mãe, de 48 anos, era transplantada e fazia hemodiálise, ficou 10 dias internada. Ela era educadora social e, por meio de uma ONG, lutava pelo direito de crianças e adolescentes.

O pai, que tinha 51 anos, sofria de câncer, e ao contrair a covid, a doença se acelerou ao extremo. Ele morreu após 22 dias internado. Formado em ciências contábeis, era servidor público.

“Estávamos sempre juntos, sempre mesmo”. A sua mais doce memória do pai é de como ele cantava todos os dias para ela e a irmã.

Órfã da Covid CPI
Órfã da Covid: Giovanna perdeu os pais para a Covid e pediu a guarda da irmã. Foto: Arquivo Pessoal

Clique aqui e saiba como apoiar a Giovanna!