Cientistas descobrem proteína que ajuda na redução de peso

1581
Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

Cientistas norte-americanos descobriram que uma proteína anti-inflamatória, a NLRP12, é uma aliada contra a obesidade.

Os pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, dizem que ela pode ajudar as pessoas a emagrecer.

Segundo o estudo, publicado na Cell Host & Microbe na semana passada, o gene também tem potencial terapêutico para o tratamento do diabetes, um fator de risco para doenças cardiovasculares e outras condições graves.

O efeito do anti-inflamatório da proteína promove o crescimento de bactérias “boas” no intestino, chamadas Lachnospiraceae, que produzem pequenas moléculas de butirato e propionato, ácidos graxos responsáveis pelo controle da resistência à insulina.

“A obesidade é influenciada por essa inflamação, não apenas por excesso de comida e falta de exercício. Este estudo sugere que a redução da inflamação promove bactérias ‘boas’ que podem ajudar a manter um peso saudável”, explicou Jenny P.Y. Ting, uma das autoras da pesquisa.

Teste

O teste foi realizado apenas em ratos. Eles perceberam que a ausência do gene levou a um aumento dos sinais de inflamação no intestino e nos depósitos de gordura.

Tratadas com antibióticos, as cobaias ganharam menos peso. “Isso nos levou a suspeitar que as bactérias do intestino estavam envolvidas na promoção da obesidade”, defendeu outro autor do estudo, Agnieszka Truax.

Eles também concluíram que dietas ricas em gordura e na ausência do NLRP12 tendem a reduzir a diversidade de espécies bacterianas no intestino, suprimindo algumas e permitindo que outras se proliferem anormalmente

Freio na inflamação

Em humanos, o NLRP12 é produzido por vários tipos de células imunes e parece funcionar como um freio na inflamação excessiva.

Outros estudos da mesma equipe demonstraram que camundongos sem esses genes são altamente suscetíveis à inflamação excessiva, incluindo a experimental do cólon (colite) e câncer de cólon associado.

Os cientistas colaboradores Mihai Netea e Rinke Stienstra, do Centro Médico Universitário de Radboud, na Holanda, examinaram células de gordura de pacientes humanos obesos e observaram que quanto maior o índice de massa corporal, menor é a atividade do gene NLRP12.

Dessa forma, tratar pessoas com bactérias boas pode vir a ser uma estratégia relativamente barata para o combate à obesidade no futuro.

Com informações do Metrópoles